Ponto de Referência

Porque não demitir jovens durante a crise

Sem dúvida, nenhum grupo sentiu mais com os efeitos econômicos da pandemia do que os jovens trabalhadores. Segundo um relatório da Organização Internacional do Trabalho 1 em cada 6 pessoas com menos de 24 anos parou de trabalhar desde março. Ainda de acordo com o relatório, os jovens que ficaram empregados tiveram suas horas de trabalho reduzidas em 23%. As perspectivas de emprego para recém-formados são alarmantes, com as postagens iniciais caindo em mais de 70% em sites de empregos populares como o ZipRecruiter.

Algumas empresas acreditam erroneamente que estes jovens trabalhadores demitidos em período de crise estarão disponíveis para contratação no futuro. O que estas empresas não levam em consideração é que, segundo um levantamento de dados realizado pela empresa de pesquisa Visier em mais de 100 organizações, desde maio, houve um aumento de pessoas com menos de 25 anos deixando seus empregos voluntariamente. Em muitos setores – principalmente em campos competitivos como tecnologia, finanças e manufatura avançada – eles estão ativamente passando de startups arriscadas para gigantes bem estabelecidos que continuam a contratar, apesar da pandemia.

 

É um perigo pensar que os jovens trabalhadores são descartáveis

Acreditar que a contratação de jovens em meio a uma crise não vale o esforço e as despesas é um pensamento limitado. Os dados comprovam que, na verdade, não há maior ROI financeiro do que investir em funcionários de nível inicial, 501% de acordo com um estudo , um retorno maior do que investir em grupos de nível médio ou sênior. Funcionários no início de suas carreiras, têm mais espaço para crescer e uma tolerância maior aos riscos, também são mais propensos a investir em um empregador que invista neles.

Indiscutivelmente funcionários seniores têm um papel a desempenhar. No entanto, é necessário entender que são as novas contratações de hoje o futuro das empresas. Os jovens trabalhadores atuais serão os únicos a liderar o caminho na nova normalidade que se revelará no pós-pandemia.

 

É necessário investir em jovens trabalhadores para obter seu melhor

Parece óbvio, mas não há uma fórmula mágica. É mais econômico construir talentos do que comprá-los. Empresas com grandes programas de treinamento podem ter uma renda 218% maior por funcionário do que aquelas sem. Podemos usar como exemplo a Apple e a Amazon, a primeira com seu programa interno de  treinamento universitário, e a segunda com investimento de US $ 700 milhões para aprimorar as habilidades de seus funcionários.

 

Engajar a equipe

É necessário entender que investir em seus funcionários não trará ROI imediato e nem acabará de uma vez por todas com a rotatividade. Mas é possível tomar medidas extras para engajar os trabalhadores e conseguir melhores resultados.

Uma das medidas, que a Ponto de Referência entende muito bem e pode ajudar a sua empresa a implementar é, ter uma meta única, focada e tangível pela qual todos que estão na sua empresa, inclusive os jovens, trabalhem para alcançar. Esta iniciativa gera entre os funcionários a confiança de que a empresa está comprometida com seu sucesso. Alguns destes jovens trabalhadores seguirão em frente, mas enquanto estivem na empresa, estarão mais engajados e produtivos.

 

Fonte: Fast Company

Avatar
Equipe Ponto de Referencia [email protected]

Seja o primeiro a comentar!

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dúvidas? Fale com a gente pelo

Whatsapp!